segunda-feira, 27 de junho de 2011

CEHAB vai construir 72 casas para desabrigados em agosto


A Companhia Estadual de Habitação (Cehab) promove no dia 28 de julho licitação para a contratação de empresa qserá responsável pela construção.


As 72 primeiras casas - do total de 1.400 - para os desabrigados das chuvas começam a ser construídas em agosto, na Posse. A Companhia Estadual de Habitação (Cehab) promove, dia 28 de julho, licitação para a contratação de empresa que será responsável pela construção de seis blocos de três pavimentos na Estrada Silveira da Motta, km 2,5 na Posse.
As unidades atendem à uma reivindicação do deputado estadual Bernardo Rossi (PMDB) feita quando era presidente da Câmara de Vereadores de Petrópolis depois das chuvas de 2008 que deixaram desabrigados no quinto distrito de Petrópolis. Na ocasião, houve queda de barreiras em diversos locais como Praça 29 de Junho, bairro Nossa Senhora de Fátima, Rua Princesa Isabel e parte da Estrada União e Indústria. As chuvas e deslizamentos de terra comprometendo casas voltaram a se repetir em dezembro de 2010. "O investimento do governo do Estado é de R$ 5,6 mihões acima dos R$ 4 milhões previstos inicialmente. O conjunto habitacional terá toda a infraestrutura adequada, em área segura e que também contemple o conforto dos moradores, um compromisso do secretário de Habitação, Leonardo Picciani", afirma o parlamentar.
Serão seis blocos, cada um com três pavimentos e quatro apartamentos por andar. Além dos 72 apartamentos, a empresa vencedora terá de realizar as obras de infraestrutura do local incluindo acessibilidade, redes de água e esgoto e drenagem pluvial.
"Essas unidades se somam ainda a outras 1.328 unidades que serão erguidas em seis terrenos com recursos dos governo estadual e federal. Para a Posse, deste total, estão previstas mais 70 unidades", afirma Bernardo Rossi.
Além da primeira área, na Posse, o governo do Estado já confirmou seis terrenos (dois no Vale do Cuiabá, dois em Itaipava, um na Mosela e um no Alto Independência) onde serão erguidas 1.400 casas. "Essas unidades são construídas em caráter emergencial, para atender os desabrigados de 2011 e de anos anteriores que estão vivendo am abrigos e de aluguel social, mas precisamos de uma política habitacional permanente", lembra o deputado.
Bernardo Rossi vai cobrar empenho para que a cidade desenvolva e coloque em cumprimento seu plano municipal de habitação de interesse popular, que faz parte do plano estadual de habitação de interesse popular e que terá recursos garantidos para reduzir o déficit habitacional. "Precisamos retirar, em médio e longo prazos, 15 mil moradias que estão em área de risco", completa.
Fonte: Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário